sexta-feira, 27 de maio de 2016

Cegos
Absurdos
Egos
Imundos
Ratos pelados

Ignomínia
O falar pomposo
No limiar do gozo
Do fosso
Da poesia

Rigoroso
O tato de antes
A apontar transplantes
Da norma para a água fria

Estética prima, tardia.
Minha, tua, nossa
Galhardia
Verde prisma da sabedoria
Ao mar &
Ostracismo

Redundância, clichê
Escolha você
Pontos, retas, barbarismos
Inspiração
Conspiração
Regra, estilo, cadência, ritmo

- Íntimo verde ser
Sonatas do amanhecer
Sonhos torpes em enriquecer
Superfícies metabólicas
Que não significam
Senão
Tão
Hão
Fazer serão iletrado
Ao teu iluminado
Verbo amado
Edificado
Na constelação
Do meu viver

Aedo, rapsodo
Prosa estilística
Virtual estatística
Beijo de língua
Morrendo a míngua
Teu eu, meu eu
A balística
A edição final
E o carnaval

Desse povo plebeu.

Anderson Carlos Maciel

Nenhum comentário: