terça-feira, 10 de maio de 2016

Ego



Até que me sinta a falta
Inexisto
Entrego tua rosa de plástico
Desabo
Construo
Mudo
Contudo, nada perco
Do pó ao pó

Estruturaria a revolução
Constelação e taquicardia
Semiótica tarde benquista semiótica
Revolta que provoca alarde

Transcendência de que me fiz pajem
Verdes cuidados que me invadem
Sonoras gargalhadas de escárnio
Urbana raiz da asfixia
Dia
Sem sol

Crianças e letras
Se esbaldam em canetas
Teclas, descrições, regras estilísticas
Aspiram amores iletrados
Filosofia e não-ser

Passou o pigarro
O escarro de alguém brotou
Objetivos
Forma
Métrica, paradigma
Estigma
Teu sul
Minha simples poesia

Anderson Carlos Maciel

Nenhum comentário: