sexta-feira, 16 de setembro de 2016

para mim
Catacumba do silêncio

Nuances
Chances
Esperas

Quimeras e o lance
Transe da forma sincera
Cera
Pera

Tocar a alma,
O espírito invisível
De Deus
Alimento da palavra

A doce fava
É conteúdo teu
Afixado
No papel-de-parede
Do teu ego

Estética prima
Minha rima
E meu sofrer

Se eu não amasse
A minha arte
Em toda parte
- progressão geométrica -
Haveria não ser.

Sonhe
Com outros rios
Desaguando no mar.

Sou

Mar alado.

Anderson Carlos Maciel

Nenhum comentário: