segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Ímpeto



Hipocrisias natalinas
Infestam linguagens

Sonhos e carruagens
De sonhos, ideias.

Sossobra sexo
Abandonado
Vaginas ressequidas
De calor humano
Demasiado humano

Flui o rio da Discórdia
Penetro a redenção
Delas
Com o gozo do silêncio
Da crítica

Em veias de ontem
Cristais etéreos
De outros recortes
                           De real.

Trocam-se os projéteis
Punk de pedras, - súbito
Por projéteis de gargalha-
das
Burguesas da mesma
Obrigação de ser igual

Nuances de um futuro
Árido
Milhões de anos em evolu-
ção.

Letra, conjugação, verbo
Tão, letra e desolação

Fuga em direção
À literatura escrita
Normas peritas espiam
                              Espiam

Convidam a obedecer

E gargalhar também
Retroativamente também
No caminho da auto-instrução

Chão de lama
Lama da canção

Azulejá-lo-ão com dentes

E unhas, ... e penteados ...

Anderson Carlos Maciel


Nenhum comentário: