quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Pássaros verídicos



Sub ensolarado
Sub enluarado
Sub conjugado

Prado, velho
Agreste Hélio condutor
De calor férrico

Toquei nas feridas
Eu podia
Era e sou ainda
Quem acaricia

Sabão no verbo
Para emanar luz.

Dentes e língua
E beijos refratários
Ao som das metamorfoses
Alegres ou tristes
Em riste
Chistes de informação

Espumas globais
Cegaram os olhos da beleza
Sigo, sou, ser
Movimento em direção
A algo que existe
Alpiste para os pássaros

De amanhã
Perderem a vergonha de voar.

Anderson Carlos Maciel

Nenhum comentário: