segunda-feira, 5 de junho de 2017

Silêncios verdes fritos.



Arrefece,
Qual prece de si,
Em mim,
Ali, logo ali, um ser
Clichê

Sua suave suástica
Seiva, sonata e sã
Sim sã.

Parâmetros fidedignos
Benignas ostras
Como luzes foscas
Se bastam.

O espetáculo caminha
A fonte e a fronte
Fulgem

O lirismo e a crítica
Mais crítica que lirismo
Também.

Emerjo o vácuo
Emerjo-me lato
Ledo tão!

Leem-me e lerão
Provoco, sou sina
Retina e feliz sigo
Perigo
Da rejeição.

Eros desafia Apolo
Para nova disputa
Astuta a sua flecha

Silenciam as catacumbas
Das aparências

Ao findar dos caracteres
Em si

Aqui
Da redação.

Anderson Carlos Maciel 

Nenhum comentário: