sexta-feira, 22 de setembro de 2017

O POEMA

 - Para Antonio Cicero

Com que trama agora te traço
e com que lápis
e com que lábio
e com que lágrima
e com que lapso
e com que sonho

com que estilhaço hoje te faço
e com que parte
e com que plano
e com que pranto
e com que plágio
e com que soma

com que arco muito te caço
e com que cláusula
e com que canto
e com que calma
e com que cálculo
e com que sonda

com que ritmo mesmo te capto
e com que mágica
e com que mágoa
e com que máscara
e com que marcha
e com que sono

com que arquitetura te adapto
e com que fábula
e com que farsa
e com que fato
e com que fala
e com que sombra

com que antena apenas te capto
e com que rádio
e com que raiva
e com que raio
e com que rastro
e com que som

com que luz ainda te laço
e com que sangue
e com que samba
e com que saga
e com que sátira
e com que sol?

Adriano Nunes


Nenhum comentário: