quarta-feira, 19 de outubro de 2016

AO MEU AMOR COM A SIMPLICIDADE LIBERTÁRIA


ah, meu amor...
se eu pudesse
hoje mesmo,
e em todos os dias,
e não estivesse, assim,
perdido entre três mundos:
ah, meu amor...
se eu pudesse,
transformaria nossa existência
em um recanto,
e deixaria tua janela, e portas,
e corredores, e passagens,
completamente cheios de flores;
e tua boca,
tua boca e língua,
cheia de beijos,
e cheia de mel e do leite,
do leite sob tua língua;
e tua alma cheia de poesia...
e tuas paredes cheias de poesia...
e mil recadinhos de poesia
entre teus livros
entre teus seios
sobre o umbigo
sobre tua pele
e transbordante na imensidão do teu jardim!

Pietro Nardella-Dellova

Nenhum comentário: